origem das coisas
A Origem das Coisas

Quando, Onde, Como, Por Quem…

 
   

O registo dos mais antigos frascos de perfume revelou que os perfumes já existiam no ano 5000 a.C..

Todos sabemos que os povos antigos usavam o fumo da combustão de madeiras, ervas e especiarias para, como era costume dessa época, executarem rituais de contacto com os deuses e também como forma de espantar espíritos malignos.

Nas cerimónias religiosas era também normal fazer-se a queima de plantas raras pois acreditava-se que o fumo ascendia aos céus e chamava a atenção aos deuses. Usava-se desde o sândalo, a mirra, o incenso e a canela, até ao cálamo e ao cedro do Líbano.

Estes hábitos seculares explicam a origem da palavra perfume, que deriva do latim “Per Fumum” que significa “através do fumo”.

O primeiro povo a ter uma utilização regular dos perfumes foi o povo Egípcio. No Egipto os perfumes eram fabricados pelos sacerdotes dos templos, de forma artesanal, que os utilizavam nos seus rituais diários.

Sabe-se que a rainha Cleopatra tinha o hábito de perfumar os pés com um líquido preparado com extractos de amêndoa, canela, flores de laranjeira e mel e costumava untar as mãos com um óleo feito de rosas e violetas.

Até as múmias egípcias eram ungidas com várias misturas de ervas aromáticas, durante o seu embalsamamento.

Na Grécia foi criada uma técnica própria de perfumaria, pois os gregos ao mergulharem flores e ervas em óleo e em vinho, descobriram, talvez sem querer, a arte de macerar para extrair os aromas.

A civilização Romana era grande apreciadora de aromas perfumados, usando diversas essências nas mais diversas situações. Aliás, os romanos pertencentes à nobreza possuíam escravos para os massajarem e untarem com essas essências.

E nem a tradição cristã escapou ao “poder” do perfume, pois uma das oferendas que os Reis Magos trouxeram para oferecer a Jesus foi o incenso.

Quanto à Europa, foi durante a época renascentista que as fragrâncias, os bálsamos e as loções passaram a ser produtos indispensáveis para as pessoas mais ricas.

Curiosamente, foi só no final do século XVIII que o perfume começou a ser associado à sedução e foi no século seguinte que o perfume passou a passear-se lado a lado com a moda, numa relação tão íntima que se mantém até aos dias de hoje.